Veja por que é importante investir em treinamento e desenvolvimento de equipes, líderes e gestores

Postado em: Categorias: Liderança, Recursos HumanosTagged , , , , , TREINAMENTO

Investir em treinamento e desenvolvimento pessoal: competências que determinam o sucesso nas organizações.

Na história das organizações, o treinamento de pessoas não costumava ser comum. Uma equipe bem preparada segue integrada, pronta para alcançar as metas e continuam dispostas a alcançar os melhores resultados. Quer saber mais? Confira no post de hoje!

 

O mercado atual busca por inovação, tanto em produtos como em modelos de gestão. Em muitos casos, essas gestões inovadoras, com proposta autoconfiante, ditam novos costumes e podem servir como exemplo para outros modelos de gestão.

 

Entretanto, esta mudança de comportamento dentro das organizações que foi percebida nos dois últimos anos. Sim, estamos falando do período em que a pandemia chegou e apontou inúmeros motivos para alterarmos a maneira de ver a vida e manter os negócios.

 

Cada movimento dentro das organizações é capaz de transformar o desempenho de uma equipe. O momento pede para estimular o processo de desenvolvimento humano, sendo assim, as empresas que investiram mais no desenvolvimento humano tiveram maior tranquilidade na hora de atravessar a crise provocada pela pandemia.

 

Por entender que uma equipe bem preparada só aumentará as chances de obter resultados promissores, o treinamento de pessoas passou a ser uma ferramenta de peso dentro das empresas, valorizando o colaborador e investindo no seu conhecimento, na sua formação e, até mesmo, na descoberta de novas habilidades.

 

Independente do modelo de inovação, os olhares estão voltados à maior matéria-prima que existe: a capacidade humana. Com este foco, cada empresa consegue identificar, por meio da Gestão de Pessoas, como melhorar o desempenho de suas equipes.

 

E por falar no desenvolvimento das equipes, peças determinantes para o sucesso das organizações, mesmo que existam outras boas estratégias, uma das maneiras de definir a escalabilidade da empresa são os treinamentos que incentivam, motivam o colaborador a se especializar em sua área, bem como abrem oportunidades de novos campos de atuação.

 

Oferecer capacitação não serve apenas para aperfeiçoar os processos internos da empresa, aliás quando a oportunidade não se restringe ao ambiente de trabalho, o colaborador se sente ainda mais valorizado, pois o conhecimento adquirido pode ser levado para atividades externas.

 

Investir em treinamentos não é uma obrigação, e sim, uma forma inteligente de reunir talentos e alcançar resultados acima da média.

 

Discernimento das habilidades e competências

Ademais existem estudos conclusivos que relatam que o olhar dos gestores, quando voltado para a cultura organizacional e para o desenvolvimento de pessoas, contribui para que diminua a incidência de ausências, licenças e alterações contínuas no quadro de colaboradores. O que leva a crer que há muito mais benefícios e resultados assertivos para a empresa.

 

Autodesenvolvimento: a competência que aponta o melhor caminho para a evolução profissional

A definição da palavra é bem clara e remete justamente ao objetivo:

Auto – noção de próprio, de si próprio, por si próprio

Desenvolvimento – crescimento, progresso, adiantamento

 

É claro que aperfeiçoar-se na profissão escolhida com cursos, formação e especializações é extremamente importante, porém como estamos falando em transformação nas organizações, não há como não citar o autodesenvolvimento como uma das competências que mais tem sido requisitada em diferentes nichos empresarias.

 

Afinal de contas, estimular o crescimento das equipes fortalece os times, promove novas experiências e transformações, destaca pontos fortes e direciona o colaborador a enxergar quais pontos devem ter mais atenção para que o desenvolvimento seja constante.

 

Podemos aqui citar diversos benefícios dos treinamentos atrelados ao desenvolvimento pessoal.

 

4 benefícios que os treinamentos proporcionam para as equipes

 

1 – Autoconfiança

Ter consciência das próprias potencialidades e acreditar em cada uma delas proporciona a certeza de estar no lugar certo, executando as atividades com segurança, vontade e dinamismo. Um profissional seguro desenvolve melhor suas habilidades, sem receio de errar e aprender com as novas experiências.

 

2 – Equipe engajada e colaborativa

Uma equipe engajada, positiva e satisfeita consegue alterar o ambiente e envolver todos que fazem parte da empresa. Assim é mais fácil traçar metas e, em conjunto, trabalhar de maneira colaborativa com uma comunicação mais acertada.

 

3 – Ganho em qualidade

Os treinamentos proporcionam ganho de qualidade nos processos atribuídos a cada colaborador, por consequência a produtividade evolui de tal maneira que se torna mais tangível mensurar resultados, apontar soluções e assim garantir a satisfação dos clientes.

 

4 – Custos

Por mais que possa haver um custo inicial para investir em capacitação por meio de diferentes treinamentos, são visíveis os benefícios de conquistar uma equipe capacitada. O custo-benefício é válido, no mais é interessante desenvolver uma gestão de pessoas realmente humana e participativa, ou seja, ter sensibilidade para perceber talentos na própria equipe e utilizar as habilidades e competências do colaborador a favor da organização. O talento de um pode motivar e servir como ferramenta para os demais e, assim, vice-versa.

 

Em caso de impossibilidade de contratação de profissionais terceiros, desenvolva junto ao Recursos Humanos eventos, trocas de experiências com pessoas que já são da equipe e que podem contribuir para o desenvolvimento pessoal dos colaboradores.

 

——

Liderando times e incentivando o desenvolvimento de equipes 

 

Influenciar e impactar pessoas. Ser líder vai muito além de “estar à frente” de uma equipe. Se antes o gestor tinha uma imagem mais rígida, fechada e até punitiva, faz tempo que não é bem assim.

 

Com o foco no desenvolvimento pessoal e de equipes, a maneira de gerenciar pessoas também mudou. O ambiente corporativo pede por mais integração, colaboração e resiliência.

 

Aliás, a resiliência também aparece como uma das competências mais requisitadas nas contratações. Tudo porque equipes de diferentes negócios passaram por desafios no período da pandemia e tiveram que se adaptar à nova realidade.

 

Essa mudança de comportamento dentro das empresas não é algo recente, mas como sabemos os momentos de crise podem determinar transições significativas na cultura organizacional.

 

Os resultados das equipes que se tornaram mais colaborativas, adaptáveis, integradas e com inteligência emocional apresentaram melhor execução em suas atividades e, por consequência, resultados superiores nas metas estabelecidas.

 

Assim, quando falamos em liderança contemporânea é importante apontar para este novo perfil de gestor, em constante aprendizado. No qual, se seguir de maneira flexível, autêntica, conseguirá lidar com a pressão, consequentemente, encontrará soluções mais sensatas.

 

Dê atenção ao seu projeto de vida e à sua carreira

 

Não há como desenvolver habilidades e competências sem prestar a devida atenção aos nossos próprios projetos ou propósitos de vida. O ideal é fazer um balanço dos investimentos aplicados em educação, cursos, graduações e especializações.

 

O balanço entre retorno e investimento é indispensável, só assim será possível perceber o quanto evoluímos profissionalmente. Ter clareza do que gostamos de fazer com o que sabemos fazer e como utilizar o nosso conhecimento para atender uma necessidade é o melhor meio para definir um plano de carreira e traçar novas metas.

 

Portanto, para termos sucesso profissional é preciso:   

– Conhecermo-nos muito bem;

– Conhecer os demais.

E como podemos fazer isso?

Utilizando a autoavaliação e a avaliação de desempenho como ferramenta fundamental de análise.

———-

Dados e pesquisas

Investimento em treinamento e desenvolvimento

De acordo com publicação da ABRH Brasil de dezembro/2019, a Indústria foi o setor que mais investiu em treinamento e desenvolvimento por colaborador (R$ 754), seguida pelo segmento de Serviços (R$ 690). O Comércio fica na lanterna, com apenas R$ 357 – quase metade da média nacional. A publicação se baseia nos dados divulgados na 14ª edição do “Panorama de Treinamento no Brasil”, análise que estuda os principais indicadores da gestão de treinamento e desenvolvimento nas companhias instaladas no Brasil.

 

—-

Por: Vanessa Mandarano

Revisão: Beatriz Baptista

Design: Lucas Loreto

 

 

 

logotipo-netspeed

Comente

O seu endereço de email não será publicado