Empreendedorismo feminino gera movimento e cria novas perspectivas para a economia

Postado em: Categorias: EmpreendedorismoTagged , , , , , 08.03 - Empreendedorismo feminino gera movimento e cria novas perspectivas para a economia

Mulheres estão sempre à frente do seu tempo. Pelo menos é o que a história nos mostra, com os diversos registros de evolução e a presença feminina em diferentes áreas. Atualmente, cresce muito o número de mulheres que conquistam o seu espaço e levam outras consigo nessa jornada de sucesso. Acompanhe!

Sem tempo para ler? Ouça Agora!

 

A emancipação feminina, além do direito ao voto e a ocupar cargos, até então considerados somente masculinos, continuam sendo conquistas por meio das quais a mulher, como protagonista da sua história, movimenta o mundo e marca presença nas mais diversas áreas profissionais.

Quantos foram os cenários sociais em que a mulher foi a impulsionadora? Inúmeros são os fatos históricos que permeiam a narrativa dessa mulher empreendedora que segue em constante evolução.

Essa postura transformadora, sem esquecer-se da imensa jornada de vida, muitas vezes exaustiva por tamanha responsabilidade, dá continuidade a um propósito que as mulheres operárias da fábrica Triangle Shirtwaist Company já buscavam, como a equidade entre os gêneros, o incentivo para mudanças trabalhistas e a luta por melhores condições de trabalho.

A prova, bem recente, está no enfrentamento da pandemia e em como muitas de nós resolveram empreender, enquanto outras encararam a transição de profissão e alteraram cenários, trazendo resultados mais positivos para o mercado.

Não se sabe ao certo se a pandemia foi a grande motivação para empreender, mas o período foi determinante para que novos negócios surgissem. Com esse olhar, gestores de diferentes nichos apostam na inovação e implementação de soluções inteligentes para alcançar seus objetivos, sem deixar de lado o humano.

O marco da presença da mulher como empreendedora é tão significativo que, em 2014, a ONU (Organização Das Nações Unidas) instituiu o 19 de novembro como o Dia Internacional do Empreendedorismo Feminino.

Quem nunca ouviu: “Empreender no Brasil não é tarefa fácil”?!

E ser mulher e empreender, será que isso pode piorar essa ideia?

Se você mentalmente respondeu que sim, então posso dizer que acertou!

Mulheres e seus desafios para empreender

É importante dizer que uma mente empreendedora não é apenas aquela que institui uma empresa e gera receita. Empreender vai além desta definição. Espíritos empreendedores mediam soluções e fazem acontecer o melhor, seja criando um novo negócio ou motivando uma equipe a gerar novos resultados, independentemente de gênero.

Dentre tantos desafios, a dupla jornada, atualmente, fica em uma escala menor, se comparada a outros. Infelizmente, o próprio preconceito social, perante a mulheres que se arriscam a empreender, ainda existe e não é de maneira velada.

O peso julgador da sociedade testa a cada instante a capacidade da mulher que está à frente dos negócios, e que, mesmo com tantas habilidades e competências, ainda ocupa em menor número os cargos de liderança. A diferença entre as oportunidades concedidas ao sexo masculino ainda é muito maior, se compararmos com as chances femininas, independentemente da posição ocupada, sendo empresária ou gestora. Essa realidade é evidente.

Mas, será que realmente é possível aumentar as chances de representatividade feminina no universo dos negócios?

Sim, e a resposta é União. 

E não é que o dito popular continua a ter razão? Mulheres que se apoiam, crescem juntas!

A união de mulheres com o mesmo propósito tem sido a diferença por décadas, e não é diferente para nós. Aliás, hoje contamos com mais liberdade, pois podemos nos comunicar sem nos preocuparmos com a distância, sendo possível dividir conhecimento, formar comunidades e conquistar direitos.

Para se ter uma ideia, em números, do quanto a presença feminina no mundo dos negócios tem feito a diferença, vamos, aqui, acompanhar alguns percentuais.

Os números podem ser encontrados em uma breve pesquisa pelo Google, por exemplo. Para contextualização do nosso post, checamos várias fontes, e uma delas é a Agência de Notícias da Indústria, que aponta, em uma pesquisa realizada pelo IBGE, no segundo semestre ano passado, que em 2021 o número de empreendedoras no Brasil chegou a 3,2 bilhões. Ainda de acordo com o levantamento, o número de empreendedoras formais cresceu 29%, enquanto que no público masculino o aumento foi de 16%.

Programa de Incentivo ao empreendedorismo feminino

Os números aqui citados são animadores, mas ainda é pouco. Muitas de nós têm ótimas ideias, são gestoras por natureza, mas ainda se limitam por alguma razão. Pensando nisso, separamos alguns programas de incentivo à mulher que deseja tirar seu sonho do papel e gerar não só renda, mas, também, emprego.

O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) desenvolveu um programa específico para mulheres que querem ver suas organizações decolarem no mercado.

A instituição oferece cursos e palestras para auxiliar no crescimento das micro e pequenas empresas e dar o suporte necessário para as empreendedoras que estão iniciando seu negócio, oferecendo qualificação, networking, materiais para atualização e alinhamento de ideias e sugestões de estratégias de negócio.

Como bem explica a própria página, o “Sebrae Delas” tem por objetivo promover ações e oferecer meios para que as micro e pequenas empresárias possam potencializar seus negócios e seus comportamentos empreendedores.

 

 

Mercado Digital amplia oportunidades para empreendedoras no Universo Digital

Uma das mudanças no mercado de trabalho, que veio para ficar e que só foi possível por conta do desenvolvimento tecnológico, é o trabalho on-line. Muitas mães adaptaram sua rotina ao novo modelo de trabalho.

Ao que tudo indica, deu tão certo que muitas abandonaram seus empregos convencionais e decidiram empreender, na pandemia. A atitude trouxe como benefício a possibilidade de estar mais perto dos filhos e acompanhar seu desenvolvimento.

O mercado digital abriu muitos universos, conectando ainda mais as pessoas, o que tem contribuído positivamente para o crescimento dos negócios on-line.

A internet, assim como as demais ferramentas digitais, abriu espaço para muitos serviços, ampliando horizontes. Empreender no digital, hoje, é sinônimo de flexibilidade e autonomia.

A secretária, que só podia trabalhar no presencial, hoje é assistente virtual, por exemplo.

Inspiração: Histórias de sucesso empreendedor

Para você se inspirar em histórias de sucesso, escolhemos três mulheres de grande autoridade social.

Luiza Helena Trajano

Sim, a advogada e empresária Luiza está na maioria das revistas de negócios e empreendedorismo como uma das mulheres que mais transformou e inovou, tornando-se uma referência em gestão e negócios. Mudou a história das lojas Magazine Luiza e cresceu no mercado digital com o e-commerce. De acordo com uma estimativa da Revista Forbes, edição de agosto de 2020, o patrimônio de Luiza já alcançava, na época; US$ 4,9 bi.

Além de sua postura inovadora, e sua presença marcante como líder, Luiza tem uma presença política muito ativa, sem necessariamente ter um cargo político. A empresária é uma das fundadoras do Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV) e, também, uma das criadoras do grupo apartidário Mulheres do Brasil.

 

Uma inspiração bem de perto!

Grupo de Mulheres em Rio Preto faz a diferença

Após perceber que muitas mães relatavam ter dificuldade em seus negócios, Simone Rosse de Carvalho, mãe de duas crianças, decidiu “aglomerar”, no melhor sentido. Formada em gastrologia, com especialização em confeitaria, se identificou com a dor de outras mães que estavam lidando, também, com os desafios intensificados pela pandemia. Foi aí que surgiu a ideia de transformar essa dor em solução. Ela e mais algumas mães decidiram criar a comunidade “Mães Empreendedoras”, em junho de 2021.

O objetivo é tecer uma teia de ações, por meio da qual essas mães empreendedoras possam divulgar seus produtos e serviços, uma apoiando a outra e, consequentemente, crescendo juntas.

Questionada sobre sua iniciativa em empreender, Simone nos contou que trabalha em uma cooperativa e que veio para Rio Preto, na época em que seu filho já tinha de 7 para 8 anos.

Ela lembra que não conseguia participar tanto da vida dele e queria mudar essa rotina. Logo surgiu uma oportunidade e ela se especializou na área de confeitaria e resolveu empreender; porém, logo depois veio a pandemia.

Segundo ela, mesmo com a pandemia e a chegada de sua caçula, nada a desmotivou para seguir seus planos. Pelo contrário, tudo serviu para que continuasse a estudar e se especializar no seu nicho: a área da confeitaria.

O projeto “Mães Empreendedoras” nasceu quando a idealizadora já participava de outro grupo, com mulheres que estavam focadas em conquistar o direito à vacina contra a Covid-19 para gestantes, aqui na cidade de São José do Rio Preto. 

De acordo com a empresária, logo depois esse mesmo grupo permaneceu, porém com o objetivo de apoiar umas às outras.

“Lá dávamos indicações e vi muitas, que já empreendiam, a dividir conosco suas dores e o que estavam enfrentando. Ali tive uma ideia inicial de formar outro grupo em que mães comprassem de mães”, relembrou.

O grupo foi crescendo e tomando outra proporção de forma muito rápida. Simone começou a mudar o perfil do grupo de mães que compravam de mães, alinhando-o para algo maior, com um perfil mais profissional, de empresárias, um formato que desse mais resultados e alavancasse os negócios das que já faziam parte desse movimento.

“Me sinto realizada, muito realizada, porque desde o começo me doei muito por esse projeto, que eu tinha certeza que seria muito grande. E, graças a Deus, hoje eu consigo ver o quanto ele é maior do que eu imaginava. Por isso, estou muito feliz e espero continuar nele por muito tempo, ultrapassando as minhas expectativas. As mães me ajudam demais com novas ideias e projetos que eu já tenho planejado. Tenho muito a fazer, mas tem muita coisa bacana para vir nesse grupo. Esse projeto me surpreende a cada dia, é maravilhoso”, declarou.

A comunidade foi destaque em vários meios de comunicação, aqui da cidade de Rio Preto, como o Diário da Região, a TV Tem e a Rede Record, entre outros.

A rede de mães só vem aumentando, assim como as oportunidades de crescer e alavancar os negócios.

Atualmente, parte da comunidade são mais de 60 mães. Quanto ao grupo inicial, ao todo são 170 mães, comprando e vendendo de mães.

Saiba mais sobre a Comunidade Mães Empreendedoras, seguindo o Instagram Oficial @maesempreendedoras_br

—–

Informações e pesquisas:

Agência Globo G1

Portal Indústria

SEBRAE

Endeavor Brasil

Diário da Região

—-

Por: Vanessa Mandarano
Revisão: Leandro Pessoa
Design: Lucas Loreto
Áudio: Rosângela Diniz

Comente

O seu endereço de email não será publicado